terça-feira, 23 de março de 2010

IV Encontro Nacional BrOffice.org

Banner PNG 480 x 160
Toda a comunidade BrOffice.org está concentrada para surpreender no IV Encontro Nacional BrOffice.org. Os dias 15 e 16 de abril serão totalmente dedicados a mostrar ao Brasil e exterior tudo que você precisa saber sobre a ferramenta. O IV EnBrO integra os estados do País por meio de videoconferência, com palestras sobre mercado, desenvolvimento, comunidade e atividades exclusivas em cada ponto de transmissão. A inscrições custam 1kg de alimento não perecível. Surpreenda-se !

Petrobras implanta BrOffice.org em 90 mil máquinas

A Petrobras iniciou neste mês o processo de instalação do BrOffice.org em seu parque de máquinas, estimado em 90 mil computadores. As instalações do programa de código aberto, que pode ser baixado e usado gratuitamente por empresas e usuários domésticos, devem estar praticamente concluídas em aproximadamente dois meses. Ao todo, o novo software contemplará um público interno de cerca de 100 mil pessoas, que serão, inclusive, capacitadas para o uso da nova ferramenta. A estimativa é que o processo gere uma redução de pelo menos 40% na demanda de aquisição de licenças pagas de software proprietário equivalente.

De acordo com a coordenadora de projetos de Tecnologia da Informação da Petrobras, Márcia Novaes, a adoção do BrOffice.org se deu a partir das análises de viabilidade técnica da ferramenta, que concluiu que o software tem maturidade tecnológica e é adequado às necessidades da companhia. Entretanto, o fator determinante foi o econômico, afirma Márcia. “Também definimos a mudança de padrão interno de documentos e adotamos o ODF, que é um padrão aberto com especificações de domínio público, plenamente suportado pelo BrOffice.org”, completa.

Para que a novidade seja rapidamente absorvida pelos usuários, o projeto prevê três fases, conforme esclarece o analista líder do projeto, Gil Brasileiro. Na fase atual, a de instalação do BrOffice.org, os aplicativos estão sendo instalados nas máquinas, os usuários comunicados de que existe uma nova ferramenta e um treinamento, que pode ser acessado no próprio computador, disponibilizado. Na segunda fase, o foco vai ser a comunicação corporativa da implantação em várias mídias, estimulando o uso do produto. Por fim, a última etapa será de adequação de licenças, em que cada setor poderá avaliar as suas reais necessidades e optar por manter o aplicativo atual com custos de licenciamento associados ao departamento.

A coordenadora Márcia esclarece que alguns setores manterão as licenças para esses programas. São as gerências que necessitam de funcionalidades específicas ainda não atendidas pelo BrOffice.org, ou que utilizam programas que dependem dos softwares de planilha e edição de texto proprietários usados atualmente.

“Uma das estratégias de adequação de licença é que, a partir de um determinado momento, os usuários não recebam mais o software proprietário, apenas o BrOffice.org”, explica Gil. Se houver necessidade de outra ferramenta, o gerente daquela área poderá fazer uma solicitação, justificando o pedido e arcando com os custos associados. Para montar o treinamento dos funcionários, a Petrobras contou com o apoio da OSCIP BrOffice.org. “Pedimos para que fossem mapeadas as maiores dúvidas dos usuários de BrOffice.org”, conta Gil Brasileiro.

Na fase preparatória do planejamento da implantação do BrOffice.org, a equipe da Petrobras teve reuniões com gestores que lideraram processos de migração para o programa em outras empresas, como Metrô de São Paulo, Banco do Brasil, Itaipu e Serpro. Além do BrOffice.org, a Petrobras também migrou para o navegador de internet Firefox. Estas duas experiências com software de código aberto, cujo planejamento iniciou em 2008, são pioneiras na Petrobras, em se tratando de estações de trabalho. Em muitos servidores, a empresa já utiliza o sistema operacional Linux.

Banco do Brasil já economizou R$ 100 milhões com BrOffice.org e software livre

O Banco do Brasil começou a estender computadores da Nossa Caixa, comprada no fim de 2008, a troca de programas proprietários por software livre. Desde o final do ano passado, 16 mil computadores já receberam BrOffice.org, mas a substituição também atingirá os sistemas operacionais de caixas de agências e terminais de autoatendimento.

“Estamos fazendo a substituição na medida em que vamos absorvendo agências. Nossa expectativa é concluir esse processo nas 564 agências que faltam [a troca já se deu em duas agências] até o fim de junho, início de julho”, explica o assessor de TI do BB, e especialista em software livre, Ulisses Penna.

Ao todo, a Nossa Caixa possui 16 mil máquinas, sendo que a troca se destina a 12,5 mil delas, as quais, atualmente, rodam Windows 2000 e que passarão a utilizar o sistema Linux. As demais, 3,5 mil com Windows XP, na área administrativa da instituição, não passarão pela substituição.
A aproximação do Banco do Brasil com o software livre já tem uma década, mas ganhou mais força a partir de 2003. Desde então, todos os computadores do banco receberam navegadores Firefox, e há 80 mil estações de trabalho, além dos 6 mil servidores, com Linux.

Nesse processo, o BB calcula que já economizou pelo menos R$ 100 milhões em licenças de software – especialmente com os programas para os servidores, que são mais caros.
A troca pelo Linux também tem como alvo todos os ATMs do banco, mas esse processo se mostrou mais complexo do que o inicialmente desejado. Dos 42,5 mil caixas eletrônicos do BB, 7 mil já passaram pela troca de sistema.

“Houve algumas dificuldades e, inclusive, parte das máquinas está obsoleta e terá que ser substituída. Mas já superamos os problemas e até o fim do ano praticamente todos os ATMs terão migrado”, diz Penna.